Busca  

Reeleição da diretoria 2012-2014

A Casa

História

Notícias

Fórum e debates

Imagens

Relatório de atividades da Casa

Desenvolvimento Sustentável

Programas

Projetos

Estatutos e Regulamentos

Banco de Voluntário

Dicas de Sites

Fale Conosco

Como chegar.

Desenvolvimento Sustentável

    Entrevista com Aldo Rebouças


Bruno do Nascimento

Diário de Petrópolis

24/08/03

 

Acontecerá no dia 24 de setembro (2003), no Palácio de Cristal, Centro de Petrópolis, uma palestra com o pesquisador Aldo Rebouças sobre a situação das águas subterrâneas no Brasil.

A palestra é um desdobramento do XIII Encontro Nacional de Perfuradores de Poços e do I Simpósio de Hidrogeologia do Sudeste que estarão sendo promovidos pela Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (ABAS), e com o apoio do governo do estado do Rio de Janeiro, DRM-RJ, CREA-RJ, Prefeitura de Petrópolis Movimento de Cidadania pelas Águas e do Petrópolis Convention & Visitors Bureau (PC&VB) e que acontecerão no Palácio Quitandinha, no período de 23 a 26 de setembro de 2003.

Para esclarecer melhor sobre a situação das águas o Diário de Petrópolis fez uma entrevista com o pesquisador Aldo da Cunha Rebouças, Professor Titular do Instituto de Geociências da USP e um dos autores do livro Águas Doces no Brasil, Capital Ecológico: Uso e Conservação.

DP: Há quanto tempo o Senhor lida com a questão da água no Brasil?

Aldo Rebouças: Desde 1963, portanto há 40 anos.

DP: Qual a situação das águas hoje no Brasil? A população tem a disposição uma água de qualidade?

Aldo Rebouças: O Brasil ostenta a maior descarga de água doce nos seus rios. Dividindo-se esses potenciais pela população atual de 170 milhões de habitantes (IBGE, 2000), tem-se que cada brasileiro, na classificação das Nações Unidas, é rico de água doce, pois dispõe da ordem de 34.000 m3/ano per capita, enquanto as Nações Unidas consideram 1.000 m3/ano per capita como suficiente para usufruto do conforto da vida moderna, em condições de clima árido. Tem-se mais da ordem de 4.000 m3/ano per capita, correspondentes a utilização de 25% apenas das taxas de recarga das águas subterrâneas.

DP: O que deveria ser feito no Brasil para melhorar este quadro?

Aldo Rebouças: O cidadão brasileiro precisa ser informado, ao máximo, esta situação de abundância de água e ensinar a usar de forma cada vez mais eficiente a gota de água disponível, reduzindo-se os grandes desperdícios nas cidades onde ainda se utilizam bacias sanitárias que necessitam de descargas que consomem 18-20 litros, quando se tem modelos no comercio que necessitam de apenas 6 litros, banhos longos, sistemas sanitários obsoletos, etc.

DP: O Senhor escreveu o livro Águas Doces do Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação (Editora Escrituras), que vem sendo considerado um marco na descrição do assunto. Como é contribuir para uma mudança de cultura sobre a situação das águas no Brasil?

Aldo Rebouças: O Livro Águas doces no Brasil, Capital Ecológico: Uso e Conservação, tinha por objetivo principal proporcionar dados que possibilitassem o conhecimento desta situação, uma vez que todos  os dados disponíveis eram encontrados nos organismos internacionais. É gratificante já ter que partir para uma 2a Edição, sobretudo quando se ver que o principal objetivo é o que mais provoca perguntas.
Outro motivo de sucesso do livro é o elenco de autores abordando os pontos mais polêmicos do problema da água no Brasil.

DP: Os investimentos no setor de saneamento tem tido um efeito positivo para a melhoria da qualidade das águas? Como o Senhor vê o processo de privatização do saneamento no Brasil?

Aldo Rebouças: O setor do saneamento básico é o mais sensível no Brasil, possibilitando caracterizar que a principal arma contra a privatização é a eficiência das empresas públicas, estatais ou privadas. Regra geral, têm faltado investimento público no setor, mas o problema não é de falta de água, mas da pobreza da população, uma vez que o PIB per capita nos países que usufruem da universalização dos serviços - cerca de 90% da população servida e 80% do esgoto coletado e tratado - é superior a US$ 20.000. Quando o PIB per capita no Brasil é da ordem de US$ 3.000 pode-se imaginar as dificuldades em atrair capital internacional para privatizar o setor. Desta forma, apenas nas grandes cidades o processo parece viável, uma vez que apenas 30% da população pode pagar pela prestação do serviço. Como resolver o problema de saneamento básico nas favelas, por exemplo, se nas vielas e becos não há espaço para instalação de um cano de água, de um cano de coleta dos esgotos e o caminhão de coleta do lixo não pode sequer circular.

DP: Uma cidade como Petrópolis, numa região de serra, com uma população de cerca de 300.000 habitantes, onde apenas 20% têm seus esgotos coletados, pode vir a ter o seu lençol freático contaminado pelo lançamento do esgoto nos rios ou em fossas sanitárias?

Aldo Rebouças: Uma cidade como Petrópolis, pode ter o seu lençol freático, isto é, o nível mais raso de acumulação de água subterrânea, comprometido pela falta de saneamento básico, à medida que vai proliferar o poço escavado e a fossa sanitária. Por sua vez, a topografia favorece este tipo de saneamento básico. Regra geral, todo poço ou captação de água subterrânea na área urbana, necessita ter uma proteção sanitária. Isto poderia ser obtido mediante a distância de 20 a 30 metros entre o poço e a fossa, ou por cimentação para isolamento do primeiro nível de acumulação de água no subsolo.

Para Aldo Rebouças, o quadro sanitário nas principais cidades do Brasil é dos mais vexatórios e constitui o principal obstáculo ao desenvolvimento social do País. A Organização Mundial da Saúde (OMS) assinala que o investimento de um dólar em saneamento básico representa uma economia de US$ 4-5 nas despesas de tratamento das doenças. Não obstante, o problema não merece qualquer prioridade dos poderes da República - Executivo, Legislativo e Judiciário - dos políticos ou dos partidos.


Outros textos desta seção
A escassez de água é um dos maiores desafios do nosso século
A sociedade civil e a água
A saúde das águas
Acidentes ecológicos
Água com Cidadania
Água é vida
Água em perigo
Água, Uma questão de Vida ou Exclusão Social
Biodigestores são implantados no Bomfim
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piabanha espera sanção da governadora Rosinha
Contaminação das águas em Petrópolis
CRENOTERAPIA
Cultura - Meu nome é Piabanha
Definições do II Seminário Água é vida
Educação Ambiental
Empresa de Petrópolis investe na preservação dos recursos hídricos
Entrevista com o Prof. Werner Bidlingmaier
I Seminário Água é Vida - Considerações
II Seminário Água é Vida debateu a preservação dos mananciais de Petrópolis
II Seminário Água é Vida foi um sucesso!
II Seminário Água é Vida teve apoio da APEA
Lions Itaipava promoverá o III Seminário Água é Vida
Livro - Desenvolvimento Sustentável em Petrópolis
LIVRO - Empresas Aumentam Lucros e Produtividade pela Eco-Eficiência
Livro - O Manifesto da Água
Ministério Público - A voz da água
Moradores do Bairro da Glória não usam água potável
Natação
2003 - O Ano Internacional da Água Doce
O Aqüífero Guarani
O Paraíso
Petrópolis vive um verão em alerta
Petrópolis poderá implantar a Agenda 21 Local
Piabanha, Peixe ou Rio?
Poluição Industrial
Programação do III Seminário Água é Vida
Residências precisam fazer a ligação do esgoto
Retomado projeto para salvar Represa Hidrelétrica de Areal
Saneamento e saúde em debate no seminário Água é Vida
Truticultura
Vida, criança e água - Vamos cuidar?
Você sabia?
Water is Life