Busca  

Reeleição da diretoria 2012-2014

A Casa

História

Notícias

Fórum e debates

Imagens

Relatório de atividades da Casa

Desenvolvimento Sustentável

Programas

Projetos

Estatutos e Regulamentos

Banco de Voluntário

Dicas de Sites

Fale Conosco

Como chegar.

Desenvolvimento Sustentável

    Piabanha, Peixe ou Rio?


Bruno do Nascimento

Diário de Petrópolis

24/08/03

 

O peixe Piabanha

O rio Piabanha tem o seu nome derivado de um dos principais peixes que existem na região da bacia do rio Paraíba do Sul. O peixe piabanha (Brycon insignes) que na língua tupi significa: "o que é manchado". É um peixe nobre e isto está evidenciado no próprio nome cientifico: insignes, que no latim significa nobre. Atualmente, corre o perigo de extinção, mas a sua importância na história do rio Paraíba do Sul é tão relevante que esta presente no brasão do município de Paraibuna.

O piabanha é um peixe de grande porte, podendo medir aproximadamente 80 cm de comprimento e atingir cerca de 8 a 10 Kg. Encontrado apenas na bacia do rio Paraíba do Sul sobe o rio na época da piracema, no período reprodutivo de dezembro a fevereiro para estimular a desova.

Lamentavelmente, a presença da piabanha nos rios da região é muito rara. Para ajudar no processo de repovoamento a CESP, Cia. Elétrica de São Paulo tem apoiado o Projeto Piabanha, que vêm reintroduzindo espécies nativas de peixes nos rios da região.
A fecundação dos óvulos é externa e as desovas ocorrem quando o nível das águas está em ascensão em virtude das chuvas. A incubação dos ovos é realizada nas lagoas marginais ou em áreas de remanso, onde os alevinos encontram alimento e refúgio para o seu desenvolvimento.

Apenas diante de uma melhora da qualidade da água do rio que leva o seu nome é que o peixe piabanha poderá voltar um dia ser visto em Petrópolis.

O rio Piabanha

Petrópolis está situada na Bacia Hidrográfica do leste. A Bacia se estende da Bahia até Santa Catarina, numa estreita faixa de Mata Atlântica. Nesta Bacia são encontrados os rios Paraíba do Sul, Doce, Jequetinhonha, Contas, Araguaçu e Vaza Barris. Todos esses rios são de grande relevância regional e nos seus conjuntos de bacias encontramos cerca de 320 espécies de peixes. A Bacia do rio Paraíba do Sul, na qual o rio Piabanha está inserido, contabiliza aproximadamente 180 espécies de peixes.

A região de Petrópolis, assim como ocorre com a maioria das cidades brasileiras, sofre as conseqüências da poluição hídrica. Avalia-se que mais de 20% da população de Petrópolis não tenha água encanada e que mais de 40% não tenha sistema de coleta de esgoto. Adicionalmente, o esgoto que é coletado pela rede nem sempre tem como destino final uma estação de tratamento de esgotos, sendo despejado diretamente nos rios. Soma-se à poluição gerada pelos esgotos domésticos, a poluição industrial que abrange um universo de cerca de 200 empresas, de portes e potencial poluidor variados. É relevante colocar, dentro desse contexto, que a cidade de Petrópolis é a primeira Área de Proteção Ambiental sob jurisdição federal a ser implantada no Brasil e é a que tem a maior quantidade de pessoas residindo dentro do seu perímetro, superando mais de 270.000 habitantes.

Petrópolis abrange duas sub-bacias importantes a nível estadual: a sub-bacia de contribuição da Baía de Guanabara e a sub-bacia de contribuição da Bacia do Rio Paraíba do Sul. O rio Paraíba do Sul recebe as águas do rio Piabanha a jusante de Três Rios, após a confluência com os rios Piabanha e Paraibuna. Neste trecho o Paraíba do Sul apresenta um aumento acentuado de vazão. O rio Piabanha e seus afluentes Preto e Paquequer são os principais corpos receptores de todos os despejos domésticos e industriais dos municípios de Petrópolis e Teresópolis, respectivamente. Já o rio Paraibuna, segundo a FEEMA, apresenta boa qualidade de água. Uma pequena parte dos rios localizados dentro da APA-Petrópolis contribuem para a Bacia da Baia de Guanabara.

A importância de um programa de despoluição e monitoramento da poluição hídrica da sub-bacia do Rio Piabanha é evidenciada também pelo significado do rio Paraíba do Sul para o Estado do Rio de Janeiro. O rio Paraíba do Sul tem um papel relevante, não só pelo fato de sua bacia ocupar metade da extensão do Estado do Rio de Janeiro e localizar-se a jusante de Minas Gerais e São Paulo, o que o torna herdeiro de suas cargas, mas, fundamentalmente, por ser utilizado para o abastecimento de água e de energia para cerca de 80% da população fluminense, ou seja, aproximadamente 10 milhões de habitantes. Suas águas também são utilizadas para abastecimento industrial, preservação da flora e fauna e disposição final de esgotos.

Dentre os problemas ambientais que afetam a qualidade de suas águas da região, destacam-se, predominantemente, os problemas relativos à poluição industrial, ao esgotamento sanitário e à erosão e carreamento de partículas sólidas. Em função disto, garantir a qualidade das águas do rio Paraíba do Sul é prioridade dos órgãos de controle ambiental, cuja atuação na bacia se faz por meio de programas de monitoramento, licenciamento de atividades poluidoras, fiscalização e outras medidas de controle corretivas e preventivas.

Alia-se aos inúmeros problemas relacionados à poluição dos recursos hídricos, a carência de levantamentos e de trabalhos de pesquisa e campo sistemáticos com relação ao grau de poluição dos rios, mananciais e lençóis freáticos. A maior parte dos dados existentes na região foram levantados e agrupados no relatório que acompanha o Zoneamento Ambiental da Apa-Petrópolis, apresentado pelo Instituto Ecotema (2002). No entanto, segundo o próprio relatório, é significativa a carência de dados de qualidade da água para a região.

Na atualidade, o Consórcio Águas do Imperador está investindo num programa de despoluição da bacia do rio Piabanha. O Programa foi apresentado para a sociedade civil numa audiência pública com os Ministérios Públicos Federal e Estadual em dezembro passado no Palácio Rio Negro. O projeto consiste em captar o esgoto do centro da cidade através de uma rede na calha do rio Palatinato e bombeá-lo até a estação de tratamento de efluentes domésticos (ETE) na Rua Dr. Sá Earp.

A próxima etapa do programa de despoluição consiste em usar a mesma tecnologia para a captação dos esgotos na calha do rio Quitandinha. Contudo, mesmo com a rede instalada, muitos moradores ainda não estão conectados a rede de esgotos do Palatinato, tanto é que o fluxo do rio no trecho da Rua Visconde de Souza Franco, após a ETE, continua completamente poluído por esgoto doméstico e industrial. A principio haverá uma diminuição da carga poluidora, mas não a efetiva e esperada limpeza dos rios.


Outros textos desta seção
A escassez de água é um dos maiores desafios do nosso século
A sociedade civil e a água
A saúde das águas
Acidentes ecológicos
Água com Cidadania
Água é vida
Água em perigo
Água, Uma questão de Vida ou Exclusão Social
Biodigestores são implantados no Bomfim
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piabanha espera sanção da governadora Rosinha
Contaminação das águas em Petrópolis
CRENOTERAPIA
Cultura - Meu nome é Piabanha
Definições do II Seminário Água é vida
Educação Ambiental
Entrevista com Aldo Rebouças
Empresa de Petrópolis investe na preservação dos recursos hídricos
Entrevista com o Prof. Werner Bidlingmaier
I Seminário Água é Vida - Considerações
II Seminário Água é Vida debateu a preservação dos mananciais de Petrópolis
II Seminário Água é Vida foi um sucesso!
II Seminário Água é Vida teve apoio da APEA
Lions Itaipava promoverá o III Seminário Água é Vida
Livro - Desenvolvimento Sustentável em Petrópolis
LIVRO - Empresas Aumentam Lucros e Produtividade pela Eco-Eficiência
Livro - O Manifesto da Água
Ministério Público - A voz da água
Moradores do Bairro da Glória não usam água potável
Natação
2003 - O Ano Internacional da Água Doce
O Aqüífero Guarani
O Paraíso
Petrópolis vive um verão em alerta
Petrópolis poderá implantar a Agenda 21 Local
Poluição Industrial
Programação do III Seminário Água é Vida
Residências precisam fazer a ligação do esgoto
Retomado projeto para salvar Represa Hidrelétrica de Areal
Saneamento e saúde em debate no seminário Água é Vida
Truticultura
Vida, criança e água - Vamos cuidar?
Você sabia?
Water is Life