Busca  

Reeleição da diretoria 2012-2014

A Casa

História

Notícias

Fórum e debates

Imagens

Relatório de atividades da Casa

Desenvolvimento Sustentável

Programas

Projetos

Estatutos e Regulamentos

Banco de Voluntário

Dicas de Sites

Fale Conosco

Como chegar.

Desenvolvimento Sustentável

    Petrópolis vive um verão em alerta


Bruno do Nascimento

Diário de Petrópolis

Dezembro de 2004

 

O primeiro dia do verão deixou claro para a cidade que os antigos problemas estão bastante presentes na vida do petropolitano. Saber conviver com o fenômeno de chuvas intensas nessa época do ano é uma tarefa árdua que paralisa a cidade e trás recordações sofridas.

A terça-feira trouxe de volta alagamentos, desabamentos, desabrigados e sofrimento. Na Escola Municipal do Quitandinha estão cerca de 50 desabrigados e outras quatro escolas estão em alerta para receberem pessoas. Os diversos desabamentos relembram as perdas de vidas humanas de inúmeras famílias. Nas últimas chuvas o espírito de solidariedade da população, principalmente, nesta época natalina se fez presente. Isso sem contar as outras épocas fora do período de Natal.

A Promotora de Justiça, Dra Denise Tarin, lembra que graças a um trabalho de mobilização social realizado durante o "Projeto Morte Zero", entre dezembro de 2003 e março de 2004, o índice de desabamentos foi significativo e a perda de vida foi zero, principalmente, por que a população e as lideranças comunitárias estavam mobilizadas e alertas para o perigo das chuvas. Aquela mesma mobilização e o mesmo grau de alerta necessitam estar presentes neste verão. Sobretudo, as pessoas que vivem em áreas de risco e que tem crianças, que são as mais frágeis, as mais vulneráveis nesse período, deverão nos dias de chuvas mais intensas procurar as casas de parentes. "Não é uma situação de causar pânico, mas as pessoas que vivem nas áreas mais vulneráveis devem estar alerta para o perigo de deslizamentos".

O Ministério Público Estadual catalogou 24 comunidades em Petrópolis que considera as mais vulneráveis e vem fazendo um trabalho nessas localidades gerando consciência de que elas se encontram em área de risco. Ainda, a Universidade Federal do Rio de Janeiro apoiou a Campanha do Projeto Morte Zero e aprovou no CNPQ projeto para a implantação do sistema de alerta no Município de Petrópolis, com a instalação de 3 estações metereológicas e 24 pluviômetros digitais nas comunidades objeto da Campanha. O Governo do estado firmou convênio com o Laboratório Nacional de Computação Científica - LNCC visando a realização do monitoramento meteorológico mediante a aplicação de modelo matemático.

Para Marcio Landes Claussen, diretor da Casa da Cidadania, a situação das chuvas em Petrópolis precisa ser pensada de forma estritamente técnica, incluindo os diferentes recursos da engenharia para evitar a situação caótica que a cidade vive. A Dra Denise Tarin, lembra que no Japão os avisos de chuvas intensas chegam pelo Celular e que na BR 040, a CONCER na hora do temporal não sabia que o centro da cidade estava alagado. Ela é quem ligou para a diretoria da CONCER avisando que o centro estava alagado e a partir daí no pedágio começaram a informar aos turistas e pessoas com destino a Petrópolis que a situação estava complicada.
Marcio Claussen conclui que é necessário promover um grande debate de soluções para os problemas das chuvas na cidade e que não é possível continuarmos a sofrer com esta calamidade.


LISTA DE ÁREAS DE RISCO, CATALOGADAS PELO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL.

Rua Prof. Eugenio Werneck, altura do nº 78, Morin;
Rua Otto Rey Marius, altura do nº 618, Morin;
Rua Teresa, altura do nº 1118, Alto da Serra;
Rua Jacinto Rabelo, Vila Felipe, Alto da Serra;
Rua Roberto F. da Rocha, altura do nº 431,  Lopes Trovão;
Rua Minas Gerais, altura do nº 77, Quitandinha;
Rua Goiás e Rua Ceará, Quitandinha;
Rua Ceará, Quitandinha;
Rua Alagoas, Quitandinha;
Rua Mariano Tavares da Silva, Quitandinha;
Rua Itaperuna, altura do lote 27, quadra 32, Quitandinha;
Estrada Rio-Petrópolis, km 83, Duques, Quitandinha;
Rua "H", altura do nº 1.701, Alto Independência;
Rua Alexandre Fleming, São Sebastião;
Rua Franklin Roosevelt, altura do nº 83, São Sebastião;
Estrada do Contorno, km 82, Capela;
Estrada do Contorno, km 81;
Servidão Loteamento Albino Pinho da Cruz, Centro;
Rua 24 de Maio, Centro;
Comunidade Francisco de Assis, Alto da Derrubada;
Atilio Marotti, Cantinho da Esperança;
Rua Brigadeiro Castrioto, altura do nº 1.492, Esperança;
Av. Portugal, altura do nº 645, Valparaíso;
Rua João Ramos, Corrêas.


Outros textos desta seção
A escassez de água é um dos maiores desafios do nosso século
A sociedade civil e a água
A saúde das águas
Acidentes ecológicos
Água com Cidadania
Água é vida
Água em perigo
Água, Uma questão de Vida ou Exclusão Social
Biodigestores são implantados no Bomfim
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piabanha espera sanção da governadora Rosinha
Contaminação das águas em Petrópolis
CRENOTERAPIA
Cultura - Meu nome é Piabanha
Definições do II Seminário Água é vida
Educação Ambiental
Entrevista com Aldo Rebouças
Empresa de Petrópolis investe na preservação dos recursos hídricos
Entrevista com o Prof. Werner Bidlingmaier
I Seminário Água é Vida - Considerações
II Seminário Água é Vida debateu a preservação dos mananciais de Petrópolis
II Seminário Água é Vida foi um sucesso!
II Seminário Água é Vida teve apoio da APEA
Lions Itaipava promoverá o III Seminário Água é Vida
Livro - Desenvolvimento Sustentável em Petrópolis
LIVRO - Empresas Aumentam Lucros e Produtividade pela Eco-Eficiência
Livro - O Manifesto da Água
Ministério Público - A voz da água
Moradores do Bairro da Glória não usam água potável
Natação
2003 - O Ano Internacional da Água Doce
O Aqüífero Guarani
O Paraíso
Petrópolis poderá implantar a Agenda 21 Local
Piabanha, Peixe ou Rio?
Poluição Industrial
Programação do III Seminário Água é Vida
Residências precisam fazer a ligação do esgoto
Retomado projeto para salvar Represa Hidrelétrica de Areal
Saneamento e saúde em debate no seminário Água é Vida
Truticultura
Vida, criança e água - Vamos cuidar?
Você sabia?
Water is Life