Busca  

Reeleição da diretoria 2012-2014

A Casa

História

Notícias

Fórum e debates

Imagens

Relatório de atividades da Casa

Desenvolvimento Sustentável

Programas

Projetos

Estatutos e Regulamentos

Banco de Voluntário

Dicas de Sites

Fale Conosco

Como chegar.

Desenvolvimento Sustentável

    Acidentes ecológicos


Bruno do Nascimento

Tribuna de Petrópolis

14 de junho de 2003

Em nenhuma outra época se viu no Brasil notícias sobre tantos acidentes ecológicos tendo a contaminação das águas como tema principal.

Talvez alguns digam que é mero acaso, mas o certo é que a cada dia nos deparamos progressivamente com tais problemas. Esta semana foi Uberaba, mês passado Cataguases, e assim por diante sem entrarmos nos problemas da Petrobrás ou do emissário submarino de Ipanema.

Com certeza a mídia está mais atenta ou também pode ser o início de uma série de bombas relógio que estavam acomodadas e com o decorrer dos anos começaram a explodir. O problema do emissário submarino foi o de corrosão dos pilares. Na Petrobrás a obsolência dos equipamentos de refino em relação aos de prospecção, contudo, uma plataforma afundou e outra adernou. Em Cataguases foi a falta de um Engenheiro Civil que fizesse a manutenção na represa de contenção de resíduos industriais que não era fiscalizada há 14 anos.

Por outro lado, os esgotos que correm a céu aberto pelas cidades brasileiras comprovam a falta de investimentos, de planejamento e de legislação que regule a matéria. "As estatísticas no setor são que nem biquíni: mostram o que se quer mostrar e escondem o essencial".

Evidentemente, os atores do poder público também se vêem surpreendidos com tais situações e não sabem de que maneira agir. Para uns, milhões de metros cúbicos de soda cáustica no leito de um rio é um problema menor, para outros é só aumentar o volume de água para minimizar o problema, desconhecendo a influência do pH e as suas formas de correções na água dentro do meio ambiente.
No mesmo momento em que a sociedade começa a elaborar um discurso mais eloqüente sobre o tema, a prática dessa mesma sociedade não segue as suas intenções. De repente, nos deparamos com autoridades cobrando multas milionárias e ao mesmo tempo a aplicação de tantos recursos financeiros têm um destino tão pífio quanto a sentença aos responsáveis. São necessários um amadurecimento e um aprimoramento de toda a sociedade em tais situações.

O Fórum Nacional das Águas, ocorrido em Poços de Caldas, entre 04 e 07 de junho de 2003, demonstrou que muito tem que ser feito. O evento afirmou também que o Ministério Público está mais presente e atuante no território nacional. Como exemplo, através da criação da promotoria da Bacia do Rio São Francisco, em Minas Gerais, onde seis promotores públicos atuam exclusivamente na área ambiental. Os Comitês de Bacia precisam estar mais articulados e a sociedade civil mais ativa, trabalhando mais em consonância com as empresas do que propriamente e tão somente com o governo. As deliberações do Fórum Nacional das Águas servirão de base, através da Carta de Poços de Caldas, para a formulação da política nacional de recursos hídricos.

Agora com a cobrança pelo uso da água um novo mercado será formado, pois as empresas deverão investir mais em tecnologias que minimizem a poluição, a fim de terem suas contas com gastos em recursos hídricos reduzidas. Espera-se que tenham o bom senso de investirem em tecnologias limpas, de reuso da água e que saibam também, além de tudo, serem eficientes no uso de um recurso já sabido tão escasso, evitando as perdas no processo produtivo, de abastecimento ou na torneira de casa.

Naturalmente espera-se que as pessoas tenham uma maior consciência na preservação das águas que são o elemento essencial de manutenção da vida. As árvores através das raízes a absorvem da terra. Os peixes usam o oxigênio que ela contêm. Os homens não teriam alcançado tamanho desenvolvimento nesta era, não fosse com a utilização da água no abastecimento das cidades, produção de energia elétrica e na produção industrial e agrícola.
Sem esquecermos que água é vida e vida é água, cabe tão somente a nós, Seres dotados de razão, conservarmos e protegermos da poluição e de acidentes previsíveis o elemento mais abundante e ao mesmo tempo mais escasso de nosso planeta. Afinal, água existe aos montes, mas por não conservarmos os montes de onde elas nascem, poderemos ficar sem água de beber.


Outros textos desta seção
A escassez de água é um dos maiores desafios do nosso século
A sociedade civil e a água
A saúde das águas
Água com Cidadania
Água é vida
Água em perigo
Água, Uma questão de Vida ou Exclusão Social
Biodigestores são implantados no Bomfim
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piabanha espera sanção da governadora Rosinha
Contaminação das águas em Petrópolis
CRENOTERAPIA
Cultura - Meu nome é Piabanha
Definições do II Seminário Água é vida
Educação Ambiental
Entrevista com Aldo Rebouças
Empresa de Petrópolis investe na preservação dos recursos hídricos
Entrevista com o Prof. Werner Bidlingmaier
I Seminário Água é Vida - Considerações
II Seminário Água é Vida debateu a preservação dos mananciais de Petrópolis
II Seminário Água é Vida foi um sucesso!
II Seminário Água é Vida teve apoio da APEA
Lions Itaipava promoverá o III Seminário Água é Vida
Livro - Desenvolvimento Sustentável em Petrópolis
LIVRO - Empresas Aumentam Lucros e Produtividade pela Eco-Eficiência
Livro - O Manifesto da Água
Ministério Público - A voz da água
Moradores do Bairro da Glória não usam água potável
Natação
2003 - O Ano Internacional da Água Doce
O Aqüífero Guarani
O Paraíso
Petrópolis vive um verão em alerta
Petrópolis poderá implantar a Agenda 21 Local
Piabanha, Peixe ou Rio?
Poluição Industrial
Programação do III Seminário Água é Vida
Residências precisam fazer a ligação do esgoto
Retomado projeto para salvar Represa Hidrelétrica de Areal
Saneamento e saúde em debate no seminário Água é Vida
Truticultura
Vida, criança e água - Vamos cuidar?
Você sabia?
Water is Life